Relações com a Comunidade da ESTRELA VICENTINA

É com grande satisfação que apresentamos a seguir um extrato da nossa relação com a comunidade, que segmentamos em:

 

 

 

 

 



Com seus 81 anos de existência, desenvolvendo um excelente trabalho junto à comunidade vicentina carente, em particular, às crianças.
Dedicamos espaço especial em nosso site para demonstrar um pouco do que se faz nessa entidade.
Cabe ressaltar que desde 1984, os irmãos do nosso quadro tem se dedicado com afinco em manter e dar sustentação a essa obra.

Administração da Sociedade de Assistência à Infância
"Creche Casa da Vovó Libânia"
Gestão 2001-2003.

DIRETORIA EXECUTIVA
Presidente Gilberto Francisco Ribeiro
Vice-Presidente João Vieira Bueno
Tesoureiro Silvio Leopoldo Xavier
Secretário Alberto Peres Ferreira
CONSELHO DELIBERATIVO
Titulares: Presidente José Luiz Lobão
Membros Orenides Pellegrini
Luiz Paulo Silva
Francisco Viana Júnior
Érico Manoel de Almeida
Suplentes Paulo Roberto Lencione
Vivaldo Bordinhão
Antonio Carlos Comparini
CONSELHO FISCAL
Titulares Oscar Leme Filho
Ary de Oliveira
Aristides Manoel de Arruda
Suplentes Oscar Barreira Filho
Orlando Morgado

Histórico

A Sociedade de Assistência à Infância foi fundada em 26/09/1941.

Naquela época, São Vicente, registrava alto índice de mortalidade infantil, o que motivou um grupo de senhoras da sociedade Vicentina a se solidarizarem e dedicarem a um atendimento direto com o objetivo de reduzir o índice de mortalidade infantil, inicialmente com distribuição de leite.

Ao longo dos anos, a entidade intensificou e diversificou bastante sua linha de atuação como: banco de leite, posto de puericultura, escola e finalmente Creche.

A premissa básica que sempre norteou o atendimento da Sociedade de Assistência à Infância foi atender às famílias carentes e especialmente à criança.

Na década de 1980, atingida pelas conseqüências da conjuntura econômica do país, enfrentava uma das suas piores crises, estando a beira de "fechar as portas".

Quando em 1984, os membros da Loja Maçônica Estrela Vicentina resolvem assumir os destinos da Entidade.
Sua presença foi decisiva ao assumir a diretoria executiva; a partir de 1985, também o Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal, assim restabelecendo as atividades benemerentes.

Nesses 18 anos de nova administração elevou para 80 crianças atendidas, bem como, grande progresso na disciplina, seriedade nos critérios de admissão, e principalmente o reconhecimento da sociedade calunga como uma das melhores creches em qualidade de atendimentos.

Importante destacar que a SAI é também reconhecida como entidade de utilidade pública municipal, estadual e federal.

Finalidade

Amparar, proteger e educar em período integral crianças carentes de ambos os sexos na faixa etária de 0 a 6 anos, cujos pais trabalhem fora do lar.

Justificativa

São Vicente é uma cidade com caracterização socioeconômica bastante modesta e limitada sendo um dos municípios mais carentes da Baixada. Os problemas da população são muitos e podemos ressaltar que ela dispõe das mais baixas rendas da região, tornando-a altamente desestruturada econômica e socialmente.

Em vista do exposto, as mães de família precisam ir a busca de trabalho, tanto na própria cidade como nas vizinhas cidades da baixada, para aumentar a renda familiar, ou até, às vezes, sustentarem a própria família.

Com isso, as crianças de 0 a 7 anos são deixadas sob a guarda de irmãos mais velhos ou até vizinhos que não possuem condições suficientes para acompanhamento das mesmas que deveriam dispor nessa fase da vida.

Diante dessa situação, a entidade acolhe as crianças dessa faixa etária, se propondo a dispensar-lhes a devida atenção, oferecendo-lhes proteção, alimentação, atendimento higiênico individual e lazer, com isso proporcionando seus familiares a trabalharem buscando o essencial para o seu sustento.

Esta iniciativa se reveste de importância visto que objetiva promover uma educação substituta à família, reduzindo a desagregação familiar e a exposição da criança aos problemas de rua e evitando o risco que meninos e meninas busquem a rua, devido a sua carência tanto emocional, como social e econômica.

Caracterização da População

Segmento

Faixa etária

Sexo

Regime de atendimento

Crianças

de 0 a 7 anos

ambos

Período integral

Objetivo geral

• Atender crianças carentes, cujos pais trabalhem fora do lar, assegurando-lhes o desenvolvimento social, emocional, físico e intelectual.

Objetivos específicos

• Oferecer atendimento a necessidades básicas e individuais de cada criança, ajudando-a a estruturar sua personalidade.
• Incentivar a ampliação do universo de conhecimento da criança, através de atividades educacionais, esportivas e de lazer.
• Proporcionar apoio e orientação às famílias beneficiadas;
• Estimular mudanças de hábitos e atitudes e melhoria na qualidade de vida das famílias envolvidas.
• Propiciar condições para que a criança sinta satisfação em criar, construir e transformar.

Apresentação

Ao assumirmos a presidência da Sociedade de Assistência à Infância - Creche "Casa da Vovó Libânia", traçamos planos autênticos e afetivos de forma que todos os envolvidos neste trabalho, se sintam responsáveis pela tarefa que é dever comum:

• Uns com participação direta de educar socialmente nossas crianças e seus pais, e,

• Outros com seus interesses vinculados a ação de cooperação e apoio.

As atividades dirigidas às crianças, proporcionadas pela Creche Casa da Vovó Libânia, certamente vão exercer influência positiva na evolução da sua inteligência, sensibilidade e socialização das crianças que por aqui passarem.

Metas

A manutenção das 80 crianças carentes atendendo com excelência técnica e a devida afetividade como uma extensão do lar.

Para tanto este projeto estabelece a programação de atividades que serão desenvolvidas em cada nível.

Metodologia

A através da entrevista inicial com a Assistente Social, a criança é admitida na creche, onde as mães apresentarão os documentos necessários: certidão de nascimento, carteira de vacinação atualizada, comprovante de emprego, comprovante de residência.

Berçário ( 0 à 3 anos)

• Atividades lúdicas envolvendo o corpo como um todo e a coordenação de movimentos;
• Atividades de exploração do ambiente e objetivos utilizando os sentidos (visão, audição, tato e olfato);
• Trabalho de percepção / sensibilidade em brincadeiras e jogos lúdicos (tanque de areia, água, esponjas, músicas, espumas, palha de aço, forma de gelo, entre outras);
• Atividade de encaixar, segurar, manipular, coordenar com agilidade e força.
• Atividades motoras coordenadas e dirigidas visando o fortalecimento e flexibilidade (rolar, deitar, virar a cabeça, sentar, andar, etc...).
• Atividades envolvendo jogos de equilíbrio corporal;
• Atividades com bola;
• Pintura à dedo;
• Atividades que integrem música , canções e movimentos corporais.
• Atividades frente ao espelho para nomeação e localização das partes do corpo.

Níveis I e II

A Creche deve promover conhecimentos e hábitos para um melhor convívio social, adequação de comportamentos, maturidade social, independência nas atividades básicas da vida diária.

As possibilidades do futuro dependem da seriedade com que trabalhamos os pré requisitos básicos possíveis para cada fase da maturidade da criança.

• Manuseio correto da colher, prato e copo;
• Utilizar guardanapo;
• Observar e orientar atitudes corretas à mesa;
• Exploração livre de ambientes novos ou pouco conhecidos;
• Brincar só e em grupos;
• Participar de brincadeiras de imitação simples;
• Expressar suas experiências à sua maneira, dando-lhes atenção necessária;
• Participar de danças, cantos, brincadeiras de roda, esconde-esconde, pega-pega;
• Passeios pela creche e vizinhança (praça, praia) integrando-se e identificando outros ambientes e pessoas fora do círculo familiar e da sala de aula;
• Obedecer a ordens de rotina: sono, alimentação, uso do banheiro para auto-cuidado e higiene;
• Dar liberdade para comunicação entre colegas sem interferência do adulto, em situação espontâneas;
• Ouvir histórias lidas de livros infantis e incentivar a criança a contar histórias;
• Falar no microfone, estimulando estruturação de pequenas frases, músicas, gravar a voz.;
• Brincar e conversar no telefone;
• Assistir teatro de fantoches;
• Manipular objetos com tamanhos, formas e quantidades variadas.

Nível III ( Pré Escola)

Os conteúdos programáticos devem ser funcionais para a criança, isto é, ela deve encontrar função no que está fazendo, deve saber o porque das coisas e reconhecer a importância da atividade na sua vida diária dentro e fora da entidade.

A Creche deve trabalhar constantemente os aspectos de relacionamento e socialização, promovendo a confiança, auto-conceito e auto-estima positivos.

A alfabetização na pré escolar deve se efetivar a partir do contato direto com o mundo da leitura e da escrita, através de situações concretas, significativas, onde ler e o escrever tonem-se uma necessidade para a criança.

Formação Pessoal e Social

Seu objetivo é garantir oportunidades para que as crianças sejam capazes de:

• Ter uma imagem positiva de si, ampliando sua auto-confiança , identificando cada vez mais suas limitações e possibilidades, agindo de acordo com elas;
• Identificar e enfrentar situações de conflito, utilizando seus recursos pessoais, respeitando as outras crianças e adultos exigindo reciprocidade;
• Brincar com a música, imitar , incentivar e reproduzir criações musicais;
• Adotar hábitos de auto-cuidado, valorizando as atitudes relacionadas com higiene, alimentação, conforto, segurança, proteção do corpo e cuidado com a aparência.

Desenvolvimento e Produção de cultura

Tem como objetivo explorar as possibilidades e gestos de ritmos corporais para expressar-se nas brincadeiras e nas demais situações de interação;

• Deslocar-se com destreza progressivo no espaço ao andar, correr, pular e etc., desenvolvendo atitude de confiança nas próprias capacidades motoras;
• Explorar e utilizar os movimentos de preensão, encaixe, lançamento e etc..., para uso de objetivos diversos.
• Percepção de estruturas rítmicas para expressar-se corporalmente por meio da dança brincadeiras e outros movimentos;
• Valorização de suas conquista corporais;
• Utilizar diversos materiais gráficos e plásticos sobre diferentes superfícies para ampliar suas possibilidades de expressão e comunicação;
• Produzir trabalhos de artes, utilizando a linguagem do desenho, da pintura, da modelagem, da colagem, da construção, desenvolvendo o gosto, o cuidado e o respeito pelo progresso
de produção e criação;
• Uso da linguagem oral para conversar, comunicar-se, relatar suas vivências, expressar desejos, vontades, necessidades e sentimentos, nas diversas situações de interação presentes no cotidiano.
• Observação e manuseio de materiais impressos como livros, revistas, histórias em quadrinhos e etc.;
• Reconhecimento do próprio nome dentro do conjunto de nomes do grupo nas situações em que isso se fizer necessário.

Natureza e Sociedade

Contato com animais e plantas;
• Participação em atividades que envolvam histórias, brincadeiras, jogos e canções que digam respeito as tradições culturais de sua comunidade e de outros grupos;
• Exploração de diferentes objetos, de suas propriedades e das relações simples de causa efeito;
• Cuidados de uso dos objetos do cotidiano, relacionados à segurança e prevenção de acidentes, e à sua conservação.

Matemática

Estabelecer aproximações a algumas noções matemáticas, reconhecer e valorizar os números, as operações numéricas, as contagens orais, as relações e as noções espaciais e de tempo, como ferramentas necessárias presente no seu calendário;

Perceber que utilizamos o calendário como instrumento para marcação de tempo.

Avaliação

O projeto será avaliado contínua e sistematicamente, através das diversas fases do seu desenvolvimento.

Para tal serão usados: observação, entrevistas com pais ou responsáveis, amostragem, reuniões com professores, reuniões com funcionários, treinamento de babás, alterando ou adaptando o projeto à situação real da creche.

Os pais das crianças da pré-escola participarão de reunião mensal ou bimestral com o professor para tomarem conhecimento do desenvolvimento de seus filhos a nível pedagógico e biopsico-social. Essa avaliação, repassada aos pais, pelo professor estará baseada nas atividades desenvolvidas no dia a dia, previstas em planejamento.

É também nesse momento, que os Srs. pais cujos filhos estejam abaixo da média prevista, recebem orientação individual para buscarem os diversos profissionais que se façam necessários para sanar possíveis problemas, tais como médico, psicóloga, por exemplo.

A avaliação é um instrumento imprescindível e excelente, pois com o "feed-back" é possível o aprimoramento e a própria reformulação do projeto.

Alfredo Araújo do Monte
Presidente

História

Em nossos eventos sociais e culturais geralmente contamos com o apoio de nossas cunhadas, e entre essas ocasiões a cunhada Silvia Martin Leme, lançou a idéia da formação oficial e prevista em nossos regulamentos, da Fraternidade Feminina Cruzeiro do Sul – Estrela Vicentina;

Oportunamente, a cunhada Maria Otília, esposa do então Venerável Vitório Lanza, empunha bandeira, e com o apoio das demais esposas dos nossos irmãos da Estrelinha, e após reuniões de preparação, se concretiza mais um ideal, a fundação em 14 de setembro de 1987 da Fraternidade Feminina Cruzeiro do Sul – Estrela Vicentina.

Cabe destacar que durante seu funcionamento organizou vários eventos, culturais, sociais e benemerentes, assumindo o bazar da Creche Casa da Vovó Libânia, e contribuindo sobremaneira com a saúde financeira da creche, com o carinho e amor as nossas crianças.

Entre os trabalhos realizados por essas dedicadas senhoras, registramos o auxílio a Creche México 70, a participação efetiva nas datas comemorativas ligadas à criança, como dia da criança, dia das mães, natal, onde desenvolveram atividades às crianças e mães da Creche Casa da Vovó Libânia.

Foram presidentes da Fraternidade:

  •  Maria Otilia Pires Lanza – de 1987 a 1989
  •  Regina Célia Santos Gomiero – de 1989 a 1991
  •  Silvia Leme Lapa – de 1991 a 1993
  •  Regina Célia Santos Gomiero – de 1993 a 1995
  •  Elizete Araujo de Souza Lobão- de 2001 a 2003
  •  Vera Lucia Bordieri Pelegrini - de 2003 a 2005
  •  Rosinéa Gregório - de 2005 a 2007
  •  Vera Lúcia Bordieri Pelegrini - de 2007 a 2009
  •  Sandra Pereira Viana  - de 2009 a 2011
  •  Deusiana Justo da Silva - de 2011, em gestão.

Sócias Fundadoras:

  •  Alda de Almeida Marques
  •  Alice Marion Pereira
  •  Alzira Simões Fernandes
  •  Ana Maria Nascimento Fernandes
  •  Angelina Mercedes Mayer Cupello
  •  Creusa Cristina Tinêo dos Santos
  •  Fátima Maria Nascimento Fernandes
  •  Herminia Arnaldo
  •  Maria Aparecida Borges
  •  Maria Denise Meirelles Xavier
  •  Maria Otilia Pires Lanza
  •  Regina Célia Santos Gomiero
  •  Rosa Maria Almeida Quidicomo
  •  Rozemeire Martins Goes
  •  Silvia Leme Lapa
  •  Silvia Priolli Borges
  •  Sueli Duarte Figueiredo dos Santos
  •  Tânia Maria Hourneaux M. Barreira
  •  Tereza Franco de Azevedo
  •  Vera Lucia Bordieri Pellegrini
  •  Yvonne Fachada Pagliacci

    Principalmente através da Creche Casa da Vovó Libânia temos participado da programação oficial de eventos culturais e benemerentes da Prefeitura Municipal de São Vicente, tais como Inverno Quente, Festa Junina do 2o. Batalhão de Caçadores, Festa das Nações, de forma regular.

    E, ainda, patrocinando eventos específicos, como palestras de caráter educativo sobre vários temas, enfocando saúde, educação e disciplina familiar.

    Nossas festividades, como: almoços e jantares, conta com a participação efetiva de colaboradores da sociedade vicentina, cientes que são da destinação dos recursos auferidos; cabe lembrar que nessas ocasiões registramos a integração das pessoas, o trabalho árduo da equipe de eventos, e a solidariedade pela causa nobre de melhorar os destinos dos menos favorecidos.

    Em um universo de 2300 lojas instaladas em todo o Brasil, somente 148 fraternidades são registradas no GOB.

    As atividades da entidade ficaram suspensas de 1995 até o dia 17 de fevereiro de 2003, quando por iniciativa do então venerável José Luiz Lobão viabilizou-se o retorno da Fraternidade, assumindo interinamente a presidência sua esposa Elizete Araújo de Souza Lobão.

    Ressaltamos, que mesmo no período de adormecimento a entidade, suas componentes, senhoras dedicadas, continuaram representando a força e vigor das mulheres estando sempre presentes e apoiando os eventos da Estrela Vicentina e Creche Casa da Vovó Libânia com o toque peculiar feminino.

    Atualmente a Fraternidade Feminina Cruzeiro do Sul Unidade: “Estrela Vicentina” está regularizada junto ao Grande Oriente do Brasil, possuindo a carta de Registro e Reconhecimento.

    Ela é vinculada à Loja Maçônica “Estrela Vicentina” (número 2156) Jurisdicionada ao GOSP e federada ao Grande Oriente do Brasil e cumpre as exigências da Lei nº 0081, de 23 de junho de 2005 .O Estatuto Social da entidade foi aprovado em 15 de julho de 2003 e suas alterações em 10 de abril de 2006.

    Atualmente são presidentes da:

    Fraternidade Nacional: Ligia Castro da Silva
    Fraternidade Estadual: Rosa Simei Bruno.

    Em 30 de novembro de 2009 foi aprovado o atual brasão que passou a personalizar nossa entidade nos eventos maçônicos  que foi criado por Joel G. de Oliviera. Demonstrado abaixo:



    A Diretoria Atual é assim constituída:

    Diretoria Executiva:

    Presidente - Deusiana Justo da Silva
    Vice – Presidente – Sandra Pereira Viana
    Diretora Secretária – Vera Lúcia Bordieri Pelegrini
    Diretora Secretária Adjunta- Ana Paula S. Pires
    Diretora de Finanças – Regina Célia Zanella de Mello
    Diretora de Finanças Adjunta – Josiane C. Silva Bernardo
    Diretora Social/Cultural – Priscila Gonzaga Toledo
    Diretora Social/Cultural Adjunta – Rosinéa Gregório
    Diretora de Patrimônio – Creuza Cristina Tinêo dos Santos
    Diretora de Patrimônio Adjunta- Sandra Pereira Viana

    Conselho Fiscal:
    Josiane C. Silva Bernardo - presidente
    Ana Paula S. Pires, e
    Elvira Rodda Leme 

    Entre outros, são objetivos da Fraternidade:
    - desenvolver atividades sociais, culturais, cívicas e beneficentes;
    - participar e apoiar os eventos promovidos pela Loja;
    - valorizar a participação da família e da mulher na comunidade social;
    - prestar assistência à infância e à velhice;
    - integrar-se à comunidade local.

    Para cumprir com os objetivos, promovemos vários eventos, tais como: Bingos, Desfiles, Bailes, Chás e Jantares, com o cujo beneficente, bem como, ministramos Cursos e Palestras educativas. Normalmente parte da renda é destinada à Creche “Casa da Vovó Libania” – atendendo as prioridades elencadas pela presidente da mesma, ou a outras entidades da comunidade que solicitem nossa ajuda.

    Atualmente contamos com 12 associadas.

     

 
© Estrela Vicentina - Todos os Direitos Reservados